Copyright © 2015 . Associação Brasileira de Iyengar Yoga . Todos os direitos reservados

ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA (AGE) DE 17.04.2016

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE IYENGAR YOGA - ABIY

ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE IYENGAR YOGA REALIZADA AOS DEZESETE DIAS DO MÊS

DE ABRIL DE 2016.

LOCAL: Clube Português – Rua Turiassú, 59 – Perdizes – São Paulo – SP (por ocasião da 1a Convenção Brasileira de Iyengar Yoga)

 

PAUTA:

  1. Eleição de Cargos Vacantes de Membros dos Comitês Permanentes
  2. Votação do Manual de Ética
  3. Assuntos Gerais

 

Iniciada a sessão com cerca de 35 associados às 17h10.

Karla Vasconcellos, Diretora-Secretária, colocou a pauta do dia e iniciou-se a votação pelo preenchimento de cargos vacantes dos Comitês Permanentes. Edelweis Justolim foi eleita por aclamação para o Comitê de Ética (CE), preenchendo a última vaga disponível neste comitê.

Em seguida, houve uma manifestação por parte de Renata Ventura, Coordenadora do Comitê de Treinamento e Formação de Professores (CTFP), para explicar que haviam sido feitos dois convites à Marcia Barros e à Analu Matsubara para que integrassem este comitê e preenchessem os dois cargos vacantes, visto que cumprem com os requisitos para os referidos cargos. As referidas candidatas foram eleitas por aclamação.

Renata Ventura manifestou-se novamente, expondo a todos uma sugestão recente do Professor Faeq Biria (enfatizando que era uma sugestão meramente e não uma obrigatoriedade) de unir o CTFP ao Comitê de Certificação (CC), tendo em vista que o mesmo havia solicitado que apenas professores sênior compusessem estes comitês.

Fernando Sanchez Lynn, Coordenador do CC, manifestou-se no sentido de acolher a sugestão do Professor Faeq Biria, afirmando que a candidata Marcia Barros deveria esperar até que tivesse a titulação de sênior para poder candidatar-se ao cargo. Adicionou, ainda, que Sushiila Leal, que já fazia parte integrante do CTFP, deveria ser retirada do cargo, pois tampouco preenchia o requisito de sênior exigido pelo professor Faeq Biria. Sushiila Leal manifestou-se para afirmar que desde o ano passado já havia solicitado o seu desligamento do referido comitê. Desta forma, Marcia

Barros, recém eleita por aclamação, e Sushiila Leal, foram convidadas a retirarem-se dos seus cargos.

Fernando Sanchez Lynn também defendeu a unificação do CTFP e CC, alegando que assim estes comitês trabalhariam juntos.

Marcia Neves Pinto lembrou que uma unificação do CTFP e do CC, em uma AGE sem a devida pauta para tanto e, principalmente, sem nenhum projeto de emenda da redação do Regimento Interno da ABIY, sem a devida consulta pública e aprovação em AGE convocada para isto pelos associados não seria possível e, inclusive, seria contra as regras ditadas pelo próprio Regimento Interno. Marcia Neves Pinto defendeu que nada impede o trabalho conjunto de dois comitês separados em prol de um mesmo objetivo. E que poderiam, desde já, iniciar um trabalho conjunto se de fato quisessem.

Karla Vasconcellos enfatizou a colocação de Marcia Neves Pinto e ainda ressaltou que isto acarretaria em um problema para o Conselho Executivo, órgão vital para a ABIY nos processos decisórios, que possui sete membros e, caso houvesse uma fusão entre CTFP e CC, haveria um único coordenador ou representante no Conselho Executivo, o que conferiria 6 votos ao referido conselho, sendo que, em número par, não haveria como ter maioria e isto prejudicaria as votações. Acrescentou ainda que o Regimento Interno foi votado por unanimidade por todos os associados.

Fernando Sanchez Lynn defendeu que o Manual do extinto Comitê Técnico já estava pronto fazia tempo e que estávamos perdendo tempo, pois o mesmo ainda não tinha sido aprovado e não cabia fazer outro manual se os comitês estivessem separados, visto que todos os itens pertinentes já se encontravam no referido manual.

Pedro Pessoa pediu a palavra para dizer que um manual leva tempo para fazer, assim como a associação para amadurecer. Defende que o Manual de Certificação está pronto há anos e que não entende porque ele não é aprovado. Colocou o referido documento no colo da Presidente Luciana Brandão, afirmando que o trabalho estava feito, dizendo que deixa o Manual com quem quiser fazer os acertos que têm que ser feitos, porque para eles está terminado. Afirmou que não vêem como fazer para separar o trabalho de cada comitê e ainda fazer dois manuais. Defende que, neste contexto, Marcia Barros e Sushiila Leal não devem fazer parte destes comitês.

Karla Vasconcellos explicou que a razão pela qual o Manual do Comitê Técnico ainda não havia sido aprovado era porque o referido comitê havia sido extinto e, assim sendo, modificações referentes às responsabilidades colocadas neste manual deveriam ser revisadas em função da existência do CTFP e que também havia questões de responsabilidades do Comitê de Ética que estavam registradas neste documento e que colidiam com o Manual de Ética. Acrescentou ainda que, por não ter sido submetido ao Conselho Executivo para revisão e aprovação e, subsequentemente, à consulta pública para posterior aprovação em AGE pelos associados, o

referido manual ainda não havia sido aprovado, enfatizando que este processo está previsto no Regimento Interno aprovado por unanimidade.

Foi aclamada a candidata Rosana Seligmann para o CC, diante da saída de Katia da Costa.

Foi aprovado por unanimidade o Manual de Ética e foram distribuídos os Termos de Compromisso de Professor Certificado para serem assinados e devolvidos pelos professores presentes. Alguns professores presentes assinaram no ato e seus documentos foram entregues à Deborah Weinberg, Coordenadora do Comitê de Ética.

Marcelo Alcântara ofereceu-se para coletar as assinaturas dos demais professores presentes no decorrer do evento.

E nada mais havendo, foi encerrada a presente.